Relatório de Grupo do Segundo Semestre de 2010

Tribo

Avaliando e Voltando Atrás

Nossos alunos de F6 voltaram das férias de julho mais amadurecidos e questionadores. Retomamos as discussões justificando a decisão de voltarmos atrás na dispensa do uso das agendas da escola. A adoção de agendas pessoais nos impediu, por razões de privacidade, de utilizá-las, dificultando a comunicação casa-escola. Avaliamos juntos o quanto ainda precisavam desenvolver a autonomia, o compromisso com as tarefas, com a pontualidade para que abríssemos mão de compartilhar esse controle com as famílias. Contamos também que essa questão havia sido levantada na avaliação dos pais. Apesar da revolta de alguns dos nossos nem tão pequenos, a agenda voltou com as mesmas funções a que todos estávamos habituados.

Fechando o Segundo Trimestre

Passado algum tempo... Entregamos, os boletins com a avaliação do segundo trimestre. Todos puderam comparar os conceitos e observações dos professores com a autoavaliação de seu aproveitamento e empenho, e refletir sobre os esforços que precisavam fazer nessa reta final. Pareceram, agora, ter mais recursos para esse processo de avaliação e planejamento pessoal e de grupo, traçando metas para aperfeiçoar suas posturas como estudantes.

Vídeos para Pensar

Logo que retornaram, cobraram. Vamos ver os outros vídeos da série "Adolescência", da Regina Casé? O primeiro episódio da série, "A Invenção", visto no finalzinho do primeiro semestre, tinha agradado aos alunos não só pela linguagem ágil e irreverente, mas pela ampliação de sentido que nossa conversa gerou sobre essa fase e as diversas possibilidades de vivenciá-la.
Antes de atendermos o pedido, assistimos ao vídeo "Viagem Fantástica", sobre as transformações que ocorrem no corpo dos adolescentes, com narração do Dr. Dráuzio Varela. Pelo clima de confiança e amizade que criamos, os alunos se sentiram bem à vontade para o esclarecimento de dúvidas e curiosidades. Em seguida, assistimos a mais dois episódios da série da Casé. O primeiro, "Aparência", tratava de valores e preconceitos, deflagrando reflexões sobre os esteriótipos físicos, individuais e das diversas "tribos", sobre atitudes fúteis, vaidades e consumismo exacerbados. O segundo, "Boca Viagem!" trazia o tema do momento: quem já ficou? vocês estão na idade de ficar? quem já deu o primeiro beijo?
Na verdade, durante a conversa, percebemos que, para alguns, estávamos antecipando os fatos. Mas o ano já estava terminando, o envolvimento com a festa já era grande e o assunto ficou mesmo adiado para o ano que vem.

Tribobó e as Cidades

Na última Tribo, refletimos sobre as possíveis relações entre a peça Tribobó City e o Projeto "As Cidades". Muitos aspectos foram levantados pelas crianças, mas aqui ficam alguns recados:

"Tribobó é uma cidade que sofre com a corrupção do governo, que só tem interesse em ouro e em dinheiro, não ligando para as necessidades da cidade."
Gabriel

"Aqui, na nossa cidade, é quase a mesma coisa. Políticos se elegem falando para a sociedade que irão conseguir mudar a cidade, fazendo escolas, hospitais, saneamento básico, salários justos..."
Cecilia

"Em toda cidade existem aquelas pessoas que não são necessariamente bandidas (como em Tribobó), mas que diante de uma oportunidade de ganhar dinheiro facilmente acabam fazendo coisas erradas"
Gabriela

"É importante que a população saiba votar com consciência e escolha pessoas honestas para nos representar."
Luiza Annik

"As cidades hoje têm de enfrentar muitos problemas... por mais que seja difícil, nós devemos enfrentá-los optando pelo caminho da justiça e do bem, pois só assim nós realmente poderemos resolver os problemas sociais e políticos".
Dora

"Tribobó é uma cidade como qualquer outra, com seus pontos altos e baixos, seus problemas. Afinal, não existem cidades perfeitas!"
Maria

Ao final dessa conversa, receberam os boletins. Foi um momento para avaliarem o ano, tentando aproveitar ao máximo as observações feitas pela equipe de professores. Assim, pudemos fechar o ano conscientes dos aprendizados e dos desafios que estão presentes.

Resumindo

A Tribo foi sempre um lugar de diálogo, no qual desejos, anseios, conflitos, zangas, reclamações, crítica negativas ou elogiosas puderam ser expressados. Para nós, adultos que mediamos tantas conversas, foi uma oportunidade ímpar de aprender, de rever valores, crenças antigas, modos de ver e compreender a vida, o outro. Acho que rejuvenecemos nesse convívio. Somos gratos pelas muitas manifestações de carinho, confiança e amizade. Esperamos ter contribuído de forma positiva na formação dessa garotada.

Português

Incentivando a Leitura

A leitura de "O cachorro que jogava na ponta esquerda", de Luis Fernando Veríssimo, nossa dica de férias, resultou em diversos trabalhos marcados pela diversidade e criatividade: foram produzidos cartazes publicitários, manchetes de jornal, convites para lançamentos fictícios, resenhas, histórias em quadrinhos e até maquetes e raps, com direito à coreografia de nossos talentosos "MCs". As apresentações tornaram a biblioteca um momento mais leve e descontraído.
Adotamos um novo livro de literatura "Antes que o Mundo Acabe", de Marcelo Carneiro da Cunha, da Editora Projeto. Trata-se de uma trama emocionante envolvendo a relação entre um adolescente e seu pai. Cartas e fotos servem de pano de fundo para a narrativa, que traz ainda fatos históricos e dados da realidade, abrindo caminho para importantes reflexões. A estreia nos cinemas de uma produção com roteiro baseado no livro, foi um convite irrecusável. Fomos assistir ao filme. A sessão foi animada (com direito a palmas acompanhando as músicas) e todos gostaram muito da versão cinematográfica, mas nem tudo ocorreu como esperávamos. Apesar de termos tudo combinado, fomos surpreendidos com o início da exibição de outro filme. Interrompida a sessão, a mudança de sala acarretou em um atraso que nos impediu de assisti-lo até o fim, pois o ônibus já nos esperava lá fora e o horário escolar terminara. Tentamos uma solução mas não conseguimos resolver o problema.
Inícamos o projeto "A literatura e as cidades". A ideia foi introduzir, a cada semana, um autor da nossa literatura através de parte de sua obra que aborda o tema. Nosso primeiro "convidado" foi um velho conhecido dos alunos, Carlos Drummond de Andrade, e todos puderam conhecer alguns poemas que falam sobre sua cidade natal, Itabira, mas também sobre o Rio de Janeiro, onde o poeta viveu por muitos anos.
Lemos também alguns poemas de Manuel Bandeira sobre Recife e outras cidades, aproximando os alunos da vida e obra do poeta. Num segundo momento, cada um escolheu seu escritor favorito entre Drummond e Bandeira para fazer um trabalho em casa.

Estimulando a Produção

Dando continuidade ao trabalho de produção de resenhas sobre livros de literatura, ao receberem seus trabalhos comentados e corrigidos pela professora, todos reescreveram seus textos, resultando em uma segunda versão mais caprichada e cuidadosa. A mais nova proposta foi a partir de leituras de casa. A F6MA fez uma "ciranda", na qual cada aluno trouxe um livro para trocar com um amigo. Na F6MB cada um apresentou uma resenha sobre o seu livro preferido.
Com a necessidade de maior sistematização, começamos a apresentar resumos sobre ortografia e gramática visando registrar conteúdos que consideramos importantes. Com essa proposta, que recebeu o nome de “Pílulas de Formalidade”, sugestão dos pais da Liora (F6MB), tentamos favorecer a aprendizagem de conceitos e nomenclaturas e possibilitar a reflexão sobre a ortografia de algumas palavras buscando aprimorar a escrita. Formalizamos tópicos do estudo da língua que serão necessários não apenas para a vida escolar mas para toda a vida, já que desejamos formar cidadãos reflexivos e leitores e escritores competentes.
Exploramos o jornal, sua função social, a linguagem dos textos jornalísticos e os diferentes gêneros textuais presentes nesse meio de comunicação. Após entender a diferença entre notícia e reportagem e os conceitos de chamada e lide, cada um exercitou seu poder de síntese criando chamadas e produziu sua notícia.

Finalizando

A Feira do dia 9 de dezembro fechou o ano de Português sintetizando alguns dos principais trabalhos do ano. Embora o material apresentado nesta data não abranja tudo que fizemos em 2010, ele trouxe diferentes linguagens e formatos (cartaz, fotografia e jornal), refletindo o foco que demos à leitura em perspectiva ampla e algumas das habilidades adquiridas pelos alunos para a produção de seus próprios textos.
As fotografias com legendas eram o desdobramento da leitura do livro “Antes que o Mundo Acabe”, trabalho em que os alunos puderam aguçar seu olhar ao que há em seu redor, traduzindo em imagem e palavras a motivação da escolha do objeto fotografado.
Os cartazes eram fruto de um trabalho de pesquisa sobre os gêneros textuais presentes em um jornal, última etapa do nosso estudo sobre esse veículo de informações.
Além da notícia e da reportagem, estudamos as características do editorial, da coluna, do texto publicitário, da resenha/crítica de arte, dos quadrinhos e das charges, dos classificados, das entrevistas, das cartas dos leitores, do blog e do twitter. A partir da leitura atenta de exemplares desses gêneros textuais, os grupos mapearam os conceitos e características de cada um, compartilhando posteriormente com a turma.
Por fim, a publicação de nosso próprio jornal, tendo como mote a Feira Moderna, encerra um período de atividades em que nos debruçamos sobre os textos jornalísticos informativos (a notícia e a reportagem), demonstrando a apropriação desse tipo de texto pelos alunos em produções que não deixam de conter alguma marca pessoal/estilística.

Ciências

Com o retorno das aulas no segundo semestre, os alunos reuniram-se em grupos, e começaram a discutir como utilizar os textos lidos nas férias para a construção dos trabalhos sobre os problemas das cidades. Compreenderam que esses problemas estavam diretamente ligados às principais questões ambientais em pauta no mundo.
Em seguida foram realizados dois estudos dirigidos sobre o efeito estufa e o aquecimento global. Entendendo como agem na atmosfera os principais gases estufas e complementando esse estudo, os alunos utilizaram simuladores virtuais para testar as hipóteses levantadas sobre os fenômenos climáticos e para melhor visualizar os problemas ambientais em todos os seus detalhes. Fizeram também, um experimento que tinha como objetivo simular um ambiente sob influência do Efeito Estufa. Com a atividade, perceberam como a atmosfera tem um papel fundamental na manutenção da temperatura do planeta, o que, segundo os nossos estudos, possibilitou o surgimento da vida “como nós a conhecemos”. Fecharam, com isso, as etapas propostas pelo Método Científico, aplicado ao projeto dos problemas das cidades.
No mês de setembro, os alunos visitaram a E.T.E de Alegria para verem de perto o tratamento do esgoto de parte da cidade. Aprenderam como esse esgoto, que antes era jogado "in natura”, hoje é tratado e retorna como água cristalina à Baia de Guanabara. Ficaram impressionados com o tamanho da estação. Na E.T.E. até energia elétrica é gerada a partir do esgoto, que fornece, também, adubo para mudas de árvores da Mata Atlântica oferecidas aos visitantes ao final da excursão. Descobriram, na visita, que a zona sul não possui estação de tratamento e o esgoto bruto é lançado em mar aberto, onde as correntes marítimas e a salinidade do mar têm de fazer o trabalho de diluição.
Estudaram sobre o tratamento de resíduos sólidos da cidade e os planos futuros, para o melhor aproveitamento da enorme quantidade de lixo. Os alunos observaram que para o lixo orgânico, a melhor solução é a compostagem, que reduz o gasto de energia com o transporte e oferece destino mais adequado e ecológico. As turmas construíram uma pequena composteira, onde depositaram os restos do lanche do recreio. Um minhocário também foi construído, para comparar o processo de decomposição da matéria orgânica num ambiente com e sem minhocas.
Com a aproximação da Feira Moderna, os grupos elaboraram apresentações de slides. Primeiro assistiram a um vídeo demonstrando como usar o programa e, em seguida, reuniram imagens, textos e pesquisas realizadas na internet para compor as apresentações. Surgiram ideias de experimentos que poderiam comprovar boa parte dos estudos realizados, como o túnel de PVC para o fluxo do trânsito, o experimento de erosão em encosta e o simulador do aumento do nível do mar devido ao degelo nos polos.
Dando sequência aos estudos apresentados na Feira, os alunos assistiram ao filme "Ilha das Flores". De início houve estranhamento sobre a realidade apresentada pelo filme, que está muito distante da realidade das nossas crianças, e muitos não entenderam seu conteúdo subjetivo. Na semana seguinte, depois que puderam refletir e rever o vídeo, as discussões foram enriquecidas. Concluíram que todos os problemas que foram estudados durante o ano sobre as cidades, impactam mais fortemente na parte menos privilegiada da população. Grande parte das pessoas que podem realmente interferir nesses processos, estão mais preocupados com o lucro do que com o bem estar das pessoas, e muitas vezes não nos damos conta de como nossos atos influenciam esses desequilíbrio, “como se fossemos alienígenas em nosso próprio planeta”.

Matemática

Iniciando o Semestre

Após o recesso os alunos fizeram uma breve revisão sobre média aritmética e conheceram média ponderada, boas oportunidades para a aproximação com problemas cotidianos.
Em seguida, aprenderam a encontrar a fração de um “todo” e o “todo” a partir da fração; comparar frações, utilizando conceito de equivalência; compreender e calcular porcentagens. Para isso, utilizamos propostas do livro e criamos problemas ligados a atualidades, como as eleições.
Concentramos nossa atenção em porcentagens, frações equivalentes e iniciamos as primeiras operações com frações. Os alunos fizeram um trabalho intensivo de construção de conceitos e de prática dos algoritmos. Começamos também a trabalhar números decimais. Transformaram frações decimais em números decimais e vice-versa e fizeram a construção da reta numérica. Iniciamos as operações com números decimais pela adição e pela subtração.
Recebemos a visita dos licenciandos em Matemática do UNIFESO, que realizaram uma oficina de Geometria construindo sólidos geométricos com canudos. A aula foi diferente e divertida e conseguimos relembrar alguns conceitos vistos no primeiro trimestre.

Feira Moderna

Dedicamos um olhar especial à organização da Feira Moderna. Os alunos prepararam textos explicativos sobre os trabalhos realizados ao longo do ano, lemos os textos preparados coletivamente e produzimos os enigmas da esfinge. A construção de sólidos geométricos com canudos fez muito sucesso e o resultado do trabalho também foi apresentado na Feira.

Mais Decimais

Para iniciarmos a multiplicação de decimais, optamos por uma atividade em grupo utilizando a calculadora. Os alunos precisavam observar regularidades e transformações e tentar tirar conclusões a partir de multiplicações de decimais por potências de dez para, em seguida resolver exercícios sobre esse assunto.

Voltando às Fotografias

Terminando o ano, propusemos uma tarefa de Matemática diferente: pedimos que voltassem ao local da foto tirada no primeiro semestre para descrevê-lo novamente, tanto numérica como geometricamente. Na escola, fizemos uma comparação entre as descrições para analisar os aspectos que sofreram alterações.

Aprendendo a Estudar

Durante todo o ano, a experiência com a recuperação paralela e com a atividade extra, após as avaliações, deu aos alunos um repertório de sugestões e dicas de como um estudante deve se preparar e de como pode dedicar, de forma eficiente, o tempo aos estudos. Foi por isso que tiveram a ideia de preparar um manual, uma cartilha de estudos, endereçada aos calouros de 2011.

Os Últimos Dias

Nas últimas semanas voltamos às potências e às raízes. Para a cronstruçaõ desses conhecimentos, é importante que o aluno compreenda a radiciação como operação inversa da potenciação. Aproveitamos as discussões que a potenciação provoca, para relacioná-la a sua visão geométrica de dimensão e, nesse momento, recuperarmos o conceito e o cálculo de perímetro e área, em especial a área de retângulos.

Áreas na F6

Já quase terminando o ano, apresentamos uma experiência para a noção de área. Os alunos precisaram delimitar, no mapa, uma área de 1 km2 tendo como ponto central de referência a escola. A atividade relembrou o estudo de escalas e abordou, de maneira prática, o estudo sobre áreas.

Inglês

As aulas de Inglês recomeçaram com uma revisão de “Comparative Forms” e “Plural Nouns”, assuntos que já tinham sido estudados no semestre anterior.
Ainda em agosto, começamos a explorar o tema “How to be a Carioca”. A partir de adaptações de trechos de um livro escrito por uma estrangeira que vive há mais de trinta anos no Rio, entramos em contato com seu ponto de vista em relação ao jeito de ser do carioca. De forma descontraída, ela propõe um guia alternativo para o “gringo” que deseja se sentir um verdadeiro carioca aqui. Discutimos muito sobre a imagem que os próprios alunos têm do carioca e sobre a imagem que o mundo tem a respeito de nós. Falamos de estereótipos e questionamos se as imagens apresentadas correspondem à realidade.
Um dos trechos lidos continha algumas frases em que estruturas com “there is” ou “there are” se repetiam frequentemente. Os alunos exercitaram essas estruturas, também na forma negativa e na interrogativa.
Em grupo, escolheram cidades do mundo sobre as quais gostariam de elaborar um cartaz com imagens e informações. Para descrever os pontos turísticos apresentados, criaram frases utilizando “there is” ou “there are”.
Dentre as atividades realizadas no tema “How to be a Carioca”, tivemos um jogo com gírias e expressões usadas na linguagem informal na nossa cidade.
Para finalizar esta proposta temática, os alunos produziram um guia turístico alternativo do Rio para turistas adolescentes. Precisavam sugerir o que fazer na cidade, a partir dos programas que eles mesmos costumam fazer. Para esta atividade, pesquisaram imagens para ilustrar o guia e alguns trouxeram suas próprias fotos em momentos de lazer junto aos amigos.
Ao longo do semestre também desenvolvemos diversas atividades com notícias de jornal, explorando os “6 W´s” (Who, What, Where, When, Why e How), vistos como método de escrita para que uma notícia possa ser considerada completa. Os alunos conheceram “The Rio Times”, publicação online de notícias voltada para os falantes de língua inglesa que moram no Brasil. No site, escolheram uma notícia, responderam às seis perguntas referentes aos 6 W´s e apresentaram um resumo da notícia e a leitura dos trechos mais importantes.
Em outra atividade, os alunos receberam algumas notícias separadas de suas manchetes e tiveram que identificar a que notícias tais manchetes pertenciam. Algumas notícias estavam fragmentadas e um dos desafios foi a tentativa de colocá-la na ordem correta. Perceberam que, geralmente, as informações mais importantes se encontram no primeiro parágrafo. Para cada notícia, identificaram as informações fundamentais, ou os 6 W´s.
No final do semestre recebemos a visita de Anita, uma jornalista francesa que já teve a experiência de morar em algumas cidades do mundo, como Paris, Nova York, Bangkok e Rio de Janeiro. Antes de sua visita, os alunos prepararam uma entrevista toda em inglês. Anita deixou o grupo tão descontraído e estimulado que criaram mais perguntas de última hora. Dentre os temas abordados estavam alimentação, música, adolescentes, moda, idiomas e educação.

Artes

Arte Grega

Buscando o diálogo com os conteúdos de História começamos um estudo sobre Arte Grega. Inicialmente fizemos desenhos de observação de estátuas projetadas no telão. O objetivo era perceber a proporção e o equilíbrio das composições da época. Depois, fizemos algumas aulas de modelo vivo com os próprios colegas. Para finalizar esse processo, nos arriscamos a fazer um desenho de observação, da estátua de um chafariz desativado, do Largo dos Leões. Nesse exercício de desenho, buscamos reproduzir seus diferentes ângulos. A atividade gerou a animação de rotação da estátua que foi exposta na Feira Moderna, juntamente com os vasos gregos. Estes foram inspirados nos mitos gregos lidos nas aulas de História e desenhados e pintados com nanquim.

Teatro

A turma aprendeu sobre a função do Teatro na Grécia, a importância do coro, que representava a voz do povo, e do corifeu, que liderava esse coro. Encenamos alguns mitos e encerramos os estudos fazendo uma cena de "Édipo Rei".
Em seguida, xerifes, cowboys e mocinhas passaram a ser os personagens das nossas histórias. Visitamos os saloons e viajamos no trem que nos levou a "Tribobó City".
Chegamos ao final da nossa trajetória de ensaios com as crianças tocando, cantando, dançando e interpretando. Este foi o momento em que começaram a surgir os figurinos e o cenário. Nossos objetos de cena foram confeccionados num sábado de dezembro com o auxílio luxuoso de pais e alunos.

Música

Os alunos foram desafiados, inspirados pelos mitos gregos aprendidos nas aulas de Português e História, a compor uma música . A turma se organizou em grupos e cada grupo criou sua letra e seu arranjo. O resultado final foi compartilhado.
Em seguida, engrenamos na Gincana Musical! A cada aula enfrentaram novas tarefas: leitura rítmica, leitura melódica, conhecimento sobre gêneros musicais, conhecimentos sobre MPB. A competição foi animada e acirrada!
Começamos, então, a nos preparar para a festa de encerramento. Aprenderam a cantar as canções da peça e, a partir daí, o grupo ficou dividido em atores e atores-músicos.
Os ensaios de Tribobó City foram a todo vapor! Tínhamos pouquíssimo tempo para o trabalho.Os arranjos musicais ficaram prontos e a cada ensaio pareciam mais bem tocados e integrados à peça.
Nesse clima de responsabilidade e compromisso, receberam a visita de Marcos Ariel, pai do Diogo, da F6MA. Apreciaram diferentes gêneros musicais com Ariel ao piano, e conversaram sobre a profissão de músico, a história da MPB e outros assuntos que foram surgindo num gostoso papo musical.

Projeto

Pensando na Feira Moderna

Já no início do semestre, começamos a planejar as atividades para a Feira Moderna.
Os alunos precisavam de parceiros e voluntários para fazer acontecer algumas das ideias. Pessoas que pudessem nos ajudar explicando o funcionamento de uma câmera digital, um especialista em culinária de outros países etc.
Muitos colaboraram emprestando materiais e nos visitando para esclarecer dúvidas e compartilhar experiências. Foi uma oportunidade enriquecedora receber convidados especialistas nos vários temas de suas pesquisas.
Em duplas, trios ou individualmente, os alunos fizeram uma atividade que para muita gente é rotineira, mas para eles foi um desafio: precisavam visitar o site "How Stuff Works" e, depois de ler, escolher um artigo que despertasse a curiosidade. Usando o sistema de abas, tinham que buscar uma segunda fonte de pesquisa sobre o tema escolhido. Finalmente, usando um editor de texto, deviam acrescentar suas informações e impressões aos trechos selecionados, dando originalidade e autoria ao resumo. Essa proposta, além de colocar em prática as competências de leitura e síntese, envolveu recursos de seleção, cópia e escrita.

Fichamento

Aprenderam também um procedimento importante para os estudantes: produzir um fichamento. Para o primeiro exercício, cada um escolheu um artigo de uma revista para ler e fichar. Em seguida trocaram os fichamentos produzidos e os textos que serviram de base para avaliar a qualidade da seleção das ideias centrais.

Eleições

Reservamos um espaço para conversarem sobre as eleições. Os alunos visitaram os sites da Câmara dos Deputados, do Senado Federal e o "plenarinho" e relembraram o que já tinham aprendido sobre a organização dos três poderes e sobre os cargos eletivos. Trocaram ideias sobre os candidatos e partidos políticos e opinaram sobre as alianças e as propagandas.

O Globo

Visitaram também o jornal "O Globo". Simone Intrator, mãe da Marina (F3TA), nos recebeu e mostrou a Redação e o setor de documentação. Conhecemos o dia a dia de Simone e, durante o "tour", conversamos com alguns jornalistas, um fotógrafo, um operador de vídeo e a historiadora Monica Lessa que mostrou o arquivo digital, os microfilmes e os cromos.

Avaliando e Autoavaliando

Foi também nas aulas de Projeto que os alunos avaliaram a Feira Moderna. Observaram tanto fatores que antecederam o evento - como o planejamento com os professores, a comunicação por e-mail e a divisão das tarefas no grupo - como os espaços, os tempos, os materiais e a interação com os visitantes no sábado.
A grande maioria concordou que há ajustes a fazer e que foi um desafio desenvolver trabalhos de diferentes disciplinas. Para os alunos que participaram pela primeira vez e também para os veteranos, a experiência exigiu muita responsabilidade, mas foi divertida. Alguns afirmaram ter aprendido preparando a Feira e ouvindo explicações de quem a visitava.

Educação Física

Começamos nosso último trimestre tentando por em prática o que percebemos através de nossa autoavaliação: precisamos transformar a atitude buscando a "cooperação". O fato de termos um espaço físico reduzido, de certa forma, contribui para esse entendimento, ampliando o conceito sobre a Educação Física escolar para além do jogo.
Propusemos pequenas mudanças em nossa rotina, começando pela escolha dos times. Apresentamos os times prontos, criando times inusitados, combinando alunos com menos afinidades e com todas as diferenças possíveis.
Foi intencional. Mesmo diante desse desafio, nosso pequeno torneio de futebol, apelidado de "Torneio dos Peladeiros", correspondeu às expectativas, formando alianças positivas e regras novas. Dentre as regras novas, uma bastante polêmica gerou o envolvimento e uma participação diferenciada: o gol só seria válido se feito por uma menina. A provocação fez com que meninos fossem solidários, tolerantes e entusiasmados "técnicos" com as meninas.
Em nossa terceira semana trabalhamos com o Handball Cooperativo. A contagem de cada jogada era fundamental e se a bola passasse por um número maior de jogadores, além da chance de gol ser maior, maior seria a pontuação da equipe. O resultado desta dinâmica foi importante, pois todos entenderam que sua equipe só seria favorecida com a ajuda de todos. Para a formação dos times usamos um outro método, o "Escolha por Todos" que consiste em o primeiro aluno tem que escolher só um amigo, e o amigo escolhido escolher o terceiro e assim sucessivamente.
Chegamos à semana da criança. Atividades como pique-bandeira, piques e o nosso tradicional queimadão não poderiam ficar de fora. Nesta semana a escola programou um passeio para a Praia do Perigoso. Caminhamos por uma trilha agradável, vivenciamos a diversidade da natureza e compartilhamos momentos muito importantes.
Quando se comemorava o aniversário do Rei do Futebol, o tema de nossa aula foi o futebol. Na semana Pelé não podia ser diferente, apresentamos algumas reportagens falando um pouco da trajetória do jogador e propusemos uma tarefa: com as equipes montadas, os alunos deveriam criar ou reinventar uma regra para o futebol do Pereirão.
Nossa avaliação deste trimestre se baseou na releitura de alguns jogos conhecidos por nossas crianças. As turmas foram divididas em grupo, onde cada um destes grupos ficou responsável pela construção ou releitura de duas novas regras para o jogo escolhido pela turma. A F6MA escolheu o pique-bandeira e a F6MB escolheu trabalhar com alguns piques. Cada grupo teria também que apresentar para seus colegas as novas regras, que tinham como tarefa obrigatória, por em prática o que reinventamos. O resultado desta releitura foi muito interessante. O jogo proposto pela F6MA foi o pique-bandeira-coringa e da F6MB o pique barra-manteiga em sua nova versão.
O mais emocionante é que quando experimentamos a alegria foi o fundamental! E agora podemos brincar e nos divertir com nossas próprias regras!!!

Eventos Especiais

Praia do Perigoso

Fizemos um passeio à Barra de Guaratiba. Enfrentamos o tempo frio e nublado, atravessamos uma trilha acidentada até chegarmos numa praia linda e quase deserta. Uma verdadeira aventura, como disseram nossos pré-adolescentes. E já avisaram: "queremos mais!"

A Feira Moderna

Realizada há vários anos, a Feira tem como proposta dar visibilidade aos estudos, pesquisas e experiências em diferentes areas do conhecimento como Ciências, História, Geografia, Matemática, Línguas e Literatura.
Além de desenvolver habilidades como produzir cartazes, resumos e maquetes, os alunos exercitam a organização e a divisão das tarefas em pequenos grupos. Em nome do compromisso coletivo, expectativas, frustrações e muita discussão estão nos bastidores dessa atividade escolar planejada e esperada cuidadosamente por professores e alunos.
Com a proximidade, o ritmo de trabalho foi ficando cada vez mais acelerado. Para os alunos, compartilhar com as famílias o que vêm aprendendo é sempre um grande estímulo.

Manhã de PIPED

Você não sabe o que é PIPED? Esse foi o nome que Dora, da F6MA, deu ao evento que as F6 prepararam para apresentar trabalhos de Português, Inglês, Projeto e Educação Física.
Os pais foram convidados para a exposição montada nas salas de aula. Visitaram a escola e viram os trabalhos produzidos.