Relatório de Grupo do Segundo Semestre de 2010

As Cidades - das Aldeias às Grandes Metrópoles

Para Começo de Conversa

Procuramos deixar aqui registrado, o percurso que trilhamos com as crianças do quarto ano neste semestre.
São breves recortes dos muitos momentos vivenciados na escola, e fora dela, nas diferentes áreas de conhecimento.
Muitas dessas notícias aqui compartilhadas foram escritas em parceria com as crianças ou por elas mesmas, no intuito de mostrar para as famílias as atividades que realizaram e seus saberes.

A história das Cidades, e as Cidades na História

Quem é Oscar Niemeyer?

Após pesquisarem, os pequenos escreveram uma breve biografia desse ilustre arquiteto. Confiram duas delas: Oscar Niemeyer é arquiteto e engenheiro como meu avô George. Nasceu dia 15 de dezembro de 1907. Ele vai fazer 103 anos em 2010. Ele projetou diversos prédios para a construção de Brasília, que eram muito diferentes para a época. Fez muitos outros prédios que foram construídos pelo Brasil e no resto do mundo. É famoso no mundo inteiro, assim como suas obras. Mas ele não liga para fama. Sempre foi ligado a política e pertenceu ao antigo partido comunista. Mesmo velhinho ele ainda trabalha. (Bruna Magalhães)
Oscar Niemeyer nasceu no Rio de Janeiro, em Laranjeiras, em 1907. Formou-se em arquitetura em 1934 e tornou-se o maior arquiteto do Brasil. Entre suas principais obras está Brasília, a capital do Brasil. Lá ele construiu o Congresso Nacional, o Palácio da Alvorada, a Catedral... Também fez obras importantes em outras cidades: Igreja da Pampulha, MAC, Sambódromo etc. E ainda deixou sua marca em outros países: Itália, França, Israel, Argélia. Hoje, está com 102 anos e ainda está namorando e trabalhando. (João Werneck)

Brincando com as Linhas de Niemeyer

A partir dos traços de um esboço do arquiteto, as crianças fizeram surgir, em seus cadernos, novas formas, imagens e ideias.

Conversa de Anjos

Um dia, no céu, aconteceu uma grande convocação. Anjos de todos os cantos foram chamados para uma reunião. E enquanto a reunião não começava, os anjos chegavam. E foi daí que surgiu essa conversa de anjos...
– Desculpem-me, eu estou atrasado?
– Não, a reunião ainda nem começou, parece que ainda faltam muitos...
– Desculpem-me novamente, mas vocês três estão juntos?
Posso me sentar com vocês? De onde vocês são? Nunca vi anjos tão modernos!
– Seja bem-vindo! Somos de Brasília, da famosa catedral modernista de Oscar Niemeyer. E você? Parece que você veio de muito longe.
– E vim mesmo. Sou um anjo do século XVIII feito pelo Mestre Aleijadinho.
– Ah, então você é de Ouro Preto...
– Na verdade, moro em Congonhas, mas sei tudo sobre Ouro Preto, já que Aleijadinho era de lá.
– Aleijadinho... Um mestre na arte barroca. Vejam suas asas, seu movimento, quantos detalhes...
– Nós fomos feitos pelo artista Ceschiatti, que fez várias esculturas em Brasília.
– Pouco sei sobre sua cidade... Só sei que hoje ela é a capital do Brasil, mas...
– Ah, então deixa a gente te contar!
– Brasília foi uma cidade planejada, inaugurada no governo do presidente Juscelino Kubitscheck, em 1960.
– Nossa! É uma cidade nova!
– Exatamente, fez este ano, 50 anos.
– Brasília foi um sonho antigo que se concretizou com o projeto dos arquitetos Lúcio Costa e Oscar Niemeyer...
– E com o trabalho de muita gente que veio de diferentes regiões do Brasil com necessidade de trabalho e acreditando que com uma nova cidade muitas oportunidades surgiriam.
– E foi inaugurada numa data muito importante para a cidade de Ouro Preto.
– Dia 21 de abril.
– Puxa! Que coincidência, o dia de Tiradentes!
– Coincidência nada, foi uma homenagem a Tiradentes e aos ideais de liberdade.
– Mas, conte-nos um pouco sobre Ouro Preto, sabemos que é uma cidade bem bonita, muita antiga...
– E muito visitada, todos querem conhecê-la
– Ouro Preto já foi uma cidade muito rica. Foi fundada por bandeirantes que iam para a região a procura de ouro que existia em grande quantidade. Assim ..
– Nossa! Por isso era chamada de Vila Rica?
– Isso mesmo. Só que...
– Nossa deve ser uma cidade cheia de ouro, de riquezas...
– Calma, anjos! O ouro foi sendo retirado, retirado e acabou. E o interesse pela cidade foi acabando e muitos que lá moravam, de lá saíram. Deixaram Ouro Preto preservada e ela acabou servindo de espaço para acolher estudantes, artistas e turistas curiosos...
– Que interessante!
– Gente, estão nos chamando, parece que a reunião já vai começar.
– É mesmo, o Cristo Redentor já está se preparando para falar. – Estou tão curioso para saber o motivo dessa reunião...
– E eu estou curioso mesmo é para conhecer o Rio de Janeiro, que esta sim, todos que eu conheço, dizem ser uma cidade maravilhosa.
– Silêncio! Ele já vai começar a reunião.
Texto Coletivo

Lixo vai, lixo volta... O que devemos fazer?

Novo Projeto

Perguntamos às crianças o que é a infraestrutura de uma cidade. Muitas hipóteses foram levantadas como: “é o que fica dentro de uma estrutura”, “uma ideia para um prédio”, "uma coisa feia que os construtores fazem mais bonito”, "é aquilo que falta ou tem numa cidade", "são as coisas que precisam funcionar bem numa cidade"...
Pesquisaram nos dicionários uma definição e fizeram um inventário de todas as necessidades básicas de uma cidade. Demos atenção ao tratamento do lixo, já que todos percebemos a importância de saber mais sobre o assunto.
O que acontece com o que descartamos nas nossas casas, quando julgamos não ser mais necessário? Foi por esse caminho que iniciamos o estudo do lixo.

Novos Livros

Para nos acompanhar no segundo semestre escolhemos dois livros: um de literatura e outro paradidático. Para começar a conhecer o autor que dá nome à nossa Biblioteca, lemos “Minhas Memórias de Lobato”, de Luciana Sandroni, Cia das Letrinhas. É uma biografia bem humorada, estilo lobatiano, que faz o maior sucesso com as crianças. O paradidático “Lixo, o problema nosso de cada dia", Editora Saraiva, nos ajudou a entender o tema que está na ordem do dia com a nova Lei Nacional dos Resíduos Sólidos.

Lixo Vai, Lixo Volta...

Com este título, escolhido pelas duas F4, começamos os estudos sobre o lixo. Logo nas primeiras leituras, quantas perguntas! As respostas foram encontradas no livro “Lixo – nosso problema de cada dia”, nos sites da Comlurb, em www.lixo.com.br, em vídeos, além das notícias de jornais e revistas trazidos pelas crianças . Muitas informações nos levaram a refletir sobre nossos conceitos e práticas. Começamos, então, a analisar o lixo que produzimos em sala e em casa.

Você já Parou para Observar o seu Lixo?

"Nós sim! Descobrimos que a toda hora produzimos lixo. O lixo está completamente ligado ao que nós consumimos, de necessário e de desnecessário.
Depois de tirar o lixo da sua casa, pensa que o problema acabou? Nada disso! Ele só está começando. Precisamos ter consciência do que consumimos e do que desperdiçamos. Essas e outras questões estão sendo por nós discutidas nas aulas de Projeto.
Assistimos a um quadro da série "O mundo de Valentina", que muito nos alertou sobre esse problema.
Você já pensou sobre isso? Acesse e assista: Mundo de Valentina. É muito interessante!"

Texto coletivo

Vale Encantado

"Nós, na quarta-feira, fomos ao Vale Encantado, que é uma comunidade que fica no Alto da Boa Vista.
Fomos conhecer um pouco da vida das pessoas de lá e todas as iniciativas que estão tendo para preservar a Floresta da Tijuca e conseguir uma melhor qualidade de vida.
Lá não há tratamento de esgoto mas, em parceria com a PUC, pretendem, por conta própria, resolver esse problema.
Antes, a COMLURB nem passava para recolher o lixo, mas com muita luta, conseguiram que essa coleta fosse feita. A COMLURB passa por lá na terça, na quinta e no sábado.
Otávio foi nosso guia e nos contou histórias sobre a floresta e a sua comunidade enquanto fazíamos uma longa caminhada.
No final nos prepararam um delicioso lanche, com um cardápio bem diferente, usando em parte o que encontram na floresta e o que plantam.
Para beber, sucos de maracujá com couve ou de chuchu com hortelã.
Para comer, esfihas de taioba, empadinhas de jaca, bolo de banana e outras delícias.
Nossa visita ao Vale Encantado valeu a pena!"

Maria, Manuela e Clara

Recicloteca

Para quem está estudando o Lixo, a Recicloteca sempre foi um contato imperdível. Mas, como a sua sede mudou para um local muito pequeno, as pessoas de lá vêm até a escola para falar com as crianças.
Conhecemos os 3 "Rs" (reduzir, reutilizar e reciclar) como uma das soluções para o lixo. Pudemos até contar mais "Rs": repensar, refletir...
Ficamos sabendo que a cada dia as novas tecnologias estão procurando usar materiais biodegradáveis e que alguns dos materiais que utilizamos podem ser totalmente reaproveitados, como o vidro e o alumínio. Vimos muitos objetos feitos com materiais reciclados ou reutilizados.
Obtivemos informações sobre o aterro sanitário de Gramacho e outros assuntos.

João, o Gari

"Na semana passada, nós recebemos a visita do gari João, que trabalha na rua Miguel Pereira.
Ele respondeu a várias perguntas que nós fizemos: “O que é preciso para ser gari?” Que tipo de lixo você mais encontra nessa rua?” “Quantas horas você trabalha por dia?” E muitas outras.
Ele nos contou que é gari há 16 anos e que desde pequeno tinha esse sonho, de ser gari. Contou também que adora esse trabalho e que a vida dele mudou para melhor quando ele virou gari.
João também contou que sofreu um acidente no caminhão e por isso não anda mais nele, só trabalha na rua.
Adoramos a visita de João. Ele nos contou coisas legais e foi muito interessante."

Pedro Galvão e Giovana

A Feira Moderna

Realizada há vários anos, a Feira tem como proposta dar visibilidade aos estudos, pesquisas e experiências em diferentes áreas do conhecimento como Ciências, História, Geografia, Matemática, Línguas e Literatura.
Além de desenvolver habilidades como produzir cartazes, resumos e maquetes, os alunos exercitam a organização e a divisão das tarefas em pequenos grupos. Em nome do compromisso coletivo, expectativas, frustrações e muita discussão estão nos bastidores dessa atividade escolar planejada e esperada cuidadosamente por professores e alunos.
Com a proximidade, o ritmo de trabalho se acelera. As crianças refizeram experiências, confeccionaram materiais, reveram alguns documentários e estudaram os temas que foram apresentados aos visitantes. Como o Lixo era o nosso projeto, a sala de aula ficou parecendo um depósito de uma cooperativa de catadores. Para os alunos, poder na Feira compartilhar com as famílias o que aprenderam é sempre um grande estímulo.

Ateliê das Ideias

“A F4T, na quinta-feira, dia 28 de outubro, foi visitar o Ateliê das Ideias. Como devem saber, a turma, além de outras coisas, está estudando o reaproveitamento de comidas e com essa visita aprendemos e fizemos pratos diferentes e deliciosos!
Antes de ir ao Ateliê, passamos na Cobal para comprar todos os alimentos necessários.
Ao chegar lá, a turma conversou com Fabiana e Roberta, que foram as nossas “professoras”. As duas receitas foram feitas com 5 batatas; a casca foi utilizada para uma “Elma Chips” caseira e ecológica. Já com a polpa da batata fizemos uma fritada com cebola e ovo, sem falar em um chá delicioso feito da casca de abacaxi. Vimos o lixo e percebemos que podemos reduzí-lo.
Sabia que se bater a casca de ovo no liquidificador, vira uma farinha para botar em comidas e bebidas, geralmente usada para as pessoas com osteoporose? Essa farinha é rica em cálcio.
Soubemos, também, que há um ano atrás, quando elas compraram a casa, fizeram uma boa obra, e com isso descobriram que a casa, na sua estrutura, tinha muito de uma madeira muito rara, que já estava extinta há muito tempo. Ao invés de jogá-la fora, a reaproveitaram para fazer muitos móveis, como cadeiras, bancos e mesas. A visita ao Ateliê valeu muito a pena!"

Lola, Luis e Glória

Sobre a Feira Moderna

"No início achei que estudar sobre o lixo ia ser legal, mas não tanto como foi. Acho que todo mundo se interessou, se esforçou e se envolveu muito, pois o resultado foi muito bom.
Os preparativos, apesar de terem sido trabalhosos, foram divertidos e criativos.
Na minha opinião, os pais gostaram muito da nossa organização dos copos, o que deu muito trabalho, pois foi bem difícil furar cada um, passando o barbante por eles.
Conhecemos muitas formas novas de reciclar e de pensar. Passamos a refletir sobre o que está acontecendo em nosso planeta, afinal, não tínhamos a noção de que gerávamos tanto lixo."

Pedro Couto

Na Biblioteca

As crianças, além dos empréstimos, aproveitam a visita semanal à Biblioteca para leitura de histórias e muitas conversas.
Iniciamos o semestre com Adriana Falcão. Lemos "Mania de explicação" e "Pequeno Dicionário de Palavras ao Vento", proporcionando momentos de muita poesia.
Depois foi a vez das crianças darem suas explicações:

"Orgulho é quando você se sente elogiado por si mesmo."
José

"Orgulho é coisa que se sente quando se faz aniversário." Manuela

"Medo é quando o coração dispara e o cérebro vai junto."
Francisco

"Medo é quando você não tem coragem de enfrentar o que não conhece."
Ian

"Esperança é um mar fundo em que você não se afoga."
Clara

"Esperança é quando você tem mais uma chance de realizar sonhos."
Bruna Magalhães

Na Biblioteca II

Na Biblioteca, as crianças leram depoimentos de três escritoras sobre a importância da leitura e o encantamento pelo mundo dos livros: Ana Maria Machado, Fernanda Lopes de Almeida e Tatiana Belinky.
Ana Maria Machado, ainda, envolveu a todos, narrando como vive cada história lida e como se encontra com os personagens de seus livros preferidos. Nesse clima, os pequenos também escreveram seus depoimentos:

“Eu viajei para a Ilha Negra com Tintim, desvendei o mistério com Bolinha, Pituca e Edmundo, vi um coelho de paletó com Alice, fui guerreiro com Alexandre, o Grande, corri com o leão de Nárnia, aprendi sobre o crime de antigamente com Al Capone, bebi uma poção mágica com Asterix, participei de aventuras com Calvin. E agora continuo lendo mais livros para embarcar em mais aventuras.”

José

“Eu era pequeno, não me lembro muito bem. Só sei que adorava as histórias do meu pai. Uma das minhas primeiras histórias foi a do Lobo mau e os três porquinhos. Anos mais tarde passei a usar uma panela na cabeça como o Menino Maluquinho. Viajei para o Tibet e para a América Latina com Tim Tim. Vivi diversas aventuras com Obelix e Asterix e quase apanhei da Mônica algumas vezes. Quero continuar lendo mais livros com meu amigo Calvin.”
Pedro Couto

“Sempre me interessei por livros menores. Fui a Londres com as Rosas Inglesas, ri de como o mundo pode ficar de cabeça para baixo com Clarice Bean, conheci a vida de algumas garotas em Go Girl, aprendi mais sobre moda com Keka, vi mais pote cheio no livro o Pote Vazio e chorei muito com a Árvore Generosa. Esses e muitos livros mudaram a minha vida".
Manuela

“Eu fui para a Grécia com Pilar, morei numa estação de trem com Hugo Cabret, fui pirata e astronauta com Rafael, fiz muitas e muitas aventuras com Tim Tim, derrotei vilões com o Capitão Cueca, criei vídeo games com Eugênio Klaus e cacei Moby Dick com o capitão Ahab.”
Matias

Minhas Memórias de Lobato

As crianças conheceram, aos poucos, a vida do patrono da nossa biblioteca com a leitura da biografia de Monteiro Lobato escrita de forma divertidíssima por Luciana Sandroni.

Monstro do Lixão

Na Biblioteca, lemos o livro “Lendas Urbanas”, de Anna Cláudia Ramos, que despertou a atenção e a curiosidade da turma, deixando as crianças com o coração batendo forte e um tantinho de medo. Inspirados, criaram para a Feira Moderna, uma nova lenda urbana “O Monstro do Lixão”. E, da sombra da sucata armazenada em nossa sala, saíram os vários monstros produzidos na aula de Artes.

Ciranda de Lobato

Conversando com as crianças, descobrimos que muitas tinham um rico e variado acervo de Lobato em casa. Então, decidimos propor uma ciranda com os livros selecionados das bibliotecas particulares. Foram edições variadas, livros recentes, outros muito velhinhos e carregados de histórias por dentro e por fora. Ao final da leitura, prepararam breves resenhas, compartilhando-as com todos os amigos.

Trocando Ideias

As crianças terminaram a leitura de "Minhas Memórias de Lobato" e receberam a visita da autora, Luciana Sandroni. Foi uma conversa muito gostosa, onde meninos e meninas mostraram-se curiosos e atentos a tudo o que ela tinha para contar.

"Luciana nos contou que a vontade de ser escritora começou aos 13 anos, e que no começo gostava de escrever poemas para o jornal da escola(...)"
Pedro Galvão

"(...) Ela é escritora há 22 anos e já publicou 21 livros. Luciana é muito simpática e nós gostamos muito dela."
Matias

"(...) Luciana tem uma personagem especial, a Ludi, uma garota de 8 anos que vive muitas aventuras. Ela escreve biografias de uma maneira muito divertida que torna a leitura mais gostosa."
Giovana

"(...) Ela gosta de escrever livros grandes e informativos. Para isso é preciso pesquisar muito antes de escrevê-los. (...)"
Glória

"(...) A visita da Luciana foi muito legal! Fizemos muitas perguntas e no final ela autografou nossos livros. "
Pedro Couto

Último Passeio

Ainda com o foco no "lixo", fizemos um passeio a Furnas para ver como uma grande empresa trata seus resíduos e rejeitos.
Fomos recebidos por Evanildo, que manteve as crianças "ligadas" em suas explicações, brincadeiras e jogos. Foi interessante ver como as questões ligadas ao lixo e à energia caminham juntas! Além da energia que pode ser fabricada a partir dos gases do processo de decomposição de matérias orgânicas, pudemos perceber como a reciclagem de diversos materiais, reduz muito o consumo, não só das matérias primas, mas principalmente da energia. Foi uma verdadeira aula!

Matemática

Vamos Estudar a Tabuada?

Estudar tabuada é necessário, mas estudar brincando torna a tarefa uma diversão. Nas aulas de Matemática, as crianças aprenderam novos jogos: Jogo da Roleta, Batalha e Eu tenho! Quem tem? É assim que aprendemos na escola.

Jogos de Matemática

Aqui estão as regras, escritas pelas crianças, de alguns jogos aprendidos.

BATALHA1:
Pode ter dois ou mais jogadores. Divide-se o baralho em dois montes. Cada jogador tira duas cartas ao mesmo tempo. Os jogadores multiplicam as suas cartas. Quem tiver o maior resultado na multiplicação ganhará as cartas da rodada. Ganhará o jogo quem tiver mais cartas no final.

BATALHA 2:
Pode ter dois ou mais jogadores. Dividi-se o baralho em dois montes. Cada jogador tira duas cartas ao mesmo tempo. Os jogadores multiplicam as suas cartas. O vencedor da rodada será que falar o resultado da sua multiplicação mais rápido e ficará com as cartas. Ganhará o jogo quem tiver mais cartas no final.

ROLETA:
Pode ter dois ou mais jogadores. O jogador joga dois dados. Em seguida, gira a roleta. Ele terá que multiplicar os números tirados nos dados com o número tirado na roleta. O resultado será registrado em um papel. Combina-se antes quantas rodadas terá a partida. No final, soma-se os pontos e quem tiver mais pontos será o vencedor.

Divisão

Não é por acaso que a técnica operatória da divisão é a última a ser apresentada. De difícil apropriação, por ser a síntese de todas as operações, a divisão é realizada com um procedimento diferente do que os adultos estão acostumados a ver e utilizar. A opção por esse jeito de dividir possibilita o melhor entendimento do que estão fazendo, percebendo e registrando todas as etapas da operação. A técnica convencional de resolução da operação será apresentada no Quinto Ano.

Divisão e Geometria

Além do aprendizado da técnica operatória da divisão, as crianças se divertiram com uma atividade diferente na aula de Matemática. Com as embalagens, trazidas de casa, olharam e pensaram: “Quantos lados essa embalagem tem?” “Como ela foi montada?” “Quais figuras geométricas aparecem?” Com régua, mediram, desenharam e analisaram semelhanças e diferenças entre as formas encontradas. Depois, ainda conversamos: “O que é então, um quadrado? E um triângulo?” “O que é um paralelograma?” “E um quadrilátero?” Com essas questões e muitas outras, nossos pequenos fizeram descobertas e aprenderam alguns conceitos da geometria.

Tangram

As crianças se encantaram com uma lenda sobre a origem do Tangram.
Realmente, pensá-lo como uma placa de porcelana, quebrada em sete pedaços, capaz de representar tudo o que existe de mais belo no mundo é uma linda imagem.
Assim, mediram, compararam, analisaram e identificaram suas peças. Com elas, brincaram e experimentaram criar e transformar.
Depois, assistiram a uma animação no site, feita pelas crianças da escola, em 2008, nas aulas de Artes. E ainda visitaram o site www.rachacuca.com.br/tangram. Uma farra!

Frações

A partir dos textos e ilustrações das crianças no caderno de Matemática, registramos aqui o que elas estão pensando sobre os primeiros estudos de frações.
"A fração é o pedaço do inteiro."
"A fração é uma parte de algo."
"Na fração, o número que fica em cima é chamado de numerador e o que fica embaixo é chamado de denominador."
" O denominador representa o número de partes que você dividiu algo. O numerador é o que você usou, comeu, sobrou, de algo."
"As frações são lidas de um modo diferente:
1/2 = meio
1/3 = um terço
1/4 = um quarto
1/5 = um quinto e asssim por diante...
1/10 - um décimo
1/11 = um onze avos
2/15 = dois quinze avos e assim por diante..."

E o Tempo Passou tão Rápido...

Ainda lembro das crianças chegando agitadas e cheias de expectativas para o novo ano.
Mas mesmo com toda a velocidade do tempo, não deixamos de aproveitá-lo intensamente.
Cada menino e menina, contribuiu de modo especial para o amadurecimento de todo o grupo.
Assim são eles: Falantes! Curiosos! Engraçados! Amigos! Unidos!
Nossas tardes foram recheadas de bons momentos. Muitas conversas, acordos, projetos e novidades.
Terminam o ano, vivenciando também no seu processo de aprender a cultura dos muitos Rs:
REFLETIRAM sobre suas atitudes; REDUZIRAM brincadeiras fora de hora; REUTILIZARAM as ideias dos amigos; REPENSARAM as suas próprias e RECICLARAM seus saberes...
Foi um bom tempo! Um bom ano, de muito trabalho, crescimento e aprendizado.

Artes

Modernismo

Ainda referenciados nas pesquisas e leituras sobre Brasília, estudamos o movimento modernista e os marcos deixados na arquitetura das cidades brasileiras. Nesse estudo conhecemos diferentes artistas e arquitetos como Portinari, Tarsila do Amaral , Oscar Niemeyer, Lúcio Costa entre outros. Aproveitamos para executar projetos arquitetônicos modernistas. Utilizamos, primeiramente, o próprio brinquedo Lego e depois o programa Lego Designer para fazer nossas próprias construções modernistas a partir dos conceitos estudados.

Sombras

No meio de tanta sucata acabamos por descobrir o trabalho dos artistas Tim Noble e Sue Webster. Começamos a tentar reproduzir cenas com a sombra do nosso lixo projetado na parede. Foram algumas aulas de pura experimentação que resultaram em fotos super interessantes.

Fazendo o Cenário da Festa

Produzimos um livro de pop-up para ilustrar a festa de encerramento desse ano. Esse trabalho foi coletivo das turmas de F3, F4 e F5.

Teatro

Fazendo um Filme

Após assistir a "Saneamento Básico - O Filme", de Jorge Furtado, as crianças se mobilizaram para criar um pequeno vídeo, de 3 a 5 minutos, para chamar a atenção da comunidade para melhorarmos, ou até revertermos, problemas estruturais da nossa cidade como saneamento básico, violência, transporte público etc. A turma foi dividida em quatro grupos; em cada grupo havia dois roteiristas, dois figurinistas e dois diretores de arte.

Depois do Roteiro, o Figurino

Os alunos responsáveis pelos roteiros, fizeram um excelente trabalho. Após muitas idas e vindas, observações e críticas, chegamos à versão final. Chegou a vez dos figurinistas colocarem a mão na massa. Os responsáveis pelos figurinos pensaram, elaboraram e até trouxeram algumas roupas e adereços para ajudar os grupos a contarem suas histórias.

Fim das Filmagens

Chegaram ao fim das filmagens! Os alunos, que criaram figurinos, cenários e roteiros sobre os problemas estruturais do Rio de Janeiro, também se divertiram muito durante o processo. No último encontro, assistimos a algumas das cenas gravadas, ainda sem cortes e sem edição. Infelizmente não tivemos tempo para as etapas de montagem e edição.

Retrospectiva 2010

As crianças relembraram o trabalho realizado através da elaboração de cenas, que retratavam alguns exercícios, apresentações e outros momentos marcantes que os alunos viveram durante o ano. Cada grupo escolheu dois ou três desses momentos para mostrar para o resto da turma. Desta forma, fizemos nossa avaliação sobre aulas e sobre atitude de cada um em relação ao trabalho. O mais interessante foi perceber como todos aprenderam muito e levam muitas lembranças deste ano que está acabando.

Música

Em Setembro

Realizamos apresentações internas para mostrar o arranjo a duas vozes de "Peixe Vivo", ensaiado desde julho. Além desta música, tocamos o arranjo de "Nesta Rua", já apresentado na Mostra de Artes.

Em outubro

Uma novidade: além de tocarmos flauta doce, tocamos percussão. Usamos o método d'O Passo para tocar ciranda e xote, fazendo algumas convenções. Agogôs, surdos, caxixis e tamborins alegraram as crianças que se mostraram muito interessadas nesses novos momentos de prática de conjunto.
As crianças realizaram também atividades de criação individual e coletiva através de improvisos com palmas e com flauta, articulando os conhecimentos que já possuem de ritmo e melodia.

Apreciação Musical

Dedicamos vários momentos das aulas à apreciação musical. As crianças ouviram diversas gravações com flauta doce em formações variadas: duos, quartetos, solo, acompanhada de orquestras ou cravo. Com isso, a turma pôde conhecer melhor o instrumento estudado por ela, além de ampliar os conhecimentos sobre história da música, já que as peças eram de diversos períodos.

Banho de Flauta!

No final de novembro as crianças tiveram uma aula de música diferente: o Banho de Flauta. Neste dia, aprenderam a lavar a flauta, caprichadamente, usando água e sabão de côco. Aproveitamos o calor para dar uma banho de mangueira nas crianças, que adoraram.

Expressão Corporal

Improvisos e Composição com Garrafas Pet Coloridas

Dispusemos, pelo espaço do salão, garrafas pet cheias de anilina, marcando grandes corredores. Num primeiro momento improvisamos livremente em linhas verticais, horizontais e diagonais, explorando os planos alto, médio e baixo com diferentes qualidades de movimento. Em seguida saltos e zig zags marcaram nossa movimentação coletiva. No final da aula, nos dividimos em grupos e compusemos uma sequência utilizando os elemenos trabalhados.

Brincando com Folhas Secas

A proposta foi circular pelo monte de folhas colhido nas ruas da cidade. Seguindo os andamentos oferecidos, incrementamos nossa movimentação atribuindo-lhe diferentes qualidades como leve /pesado, frente/costas, fluido/segmentado entre outras. Num segundo momento, sentindo a textura do material, rolamos individualmente sobre as folhas no chão. Depois, com os pés juntos, nos despedimos do monte para começar a espalhá-lo pelo espaço, realizando passos combinados. No final, ainda realizamos diagonais explorando as qualidades trabalhadas e as crianças criaram pequenas sequências em grupos.

Mergulhando no Isopor

Em sintonia com o projeto do lixo, aproveitamos alguns materiais descartados para nossas aulas. Utilizamos peças variadas de isopor encontradas no lixo e trabalhamos com locomoções, espalhando e reunindo as peças com passos do arrasta pé. Utilizamos também grandes sacos de lixo, percebendo a movimentação necessária para produzir diferentes possibilidades plásticas e sonoras. Criamos em grupos algumas sequências coreográficas a partir dessas sensibilizações e, no final da aula, apresentamos para a turma.

Ensaios do Forró

No final do ano nossas aulas foram dedicadas aos ensaios dos passos de forró para a coreografia apresentada na Festa de Encerramento. Assistimos a vídeos no You Tube, e caímos no arrasta pé. Sentindo o ritmo dessa dança no corpo, aprendemos seus passos com entusiasmo e muito empenho, variando os pares nas aulas e deixando para o final do ano a escolha definitiva para a apresentação.

Inglês

Mind the Gap

As aulas foram diversificadas e repletas de novidades. Revezamos os trabalhos entre a sala de aula, a biblioteca e a sala de informática. Explorando estes espaços, desenvolvermos nossas ideias e trilhamos o caminho que nos levou a construir pequenos textos, fazendo uso dos conteúdos gramaticais que foram a grande novidade do ano.
O tema “means of transportation/subway” continuou durante o segundo semestre a pedido das crianças. Pesquisamos algumas cidades e seus caminhos subterrâneos, assistimos a vídeos e cantamos Penny Lane procurando sempre alguma novidade que aproximasse as crianças da língua estrangeira e que fornecesse novos vocabuláiros.
O caderno foi bastante usado para registrar os textos que foram elaborados com o suporte dos conteúdos estudados. Fizemos textos coletivos, em duplas e individuais sobre vários assuntos. Esses conteúdos aparecem na F4 de maneira formalizada e as crianças começaram a estabelecer relações entre o aprendizado da gramática em Português e no Inglês. Surgiram exclamações do tipo: “Ah...mas a gente está vendo isso com a Rita...!” ou “Você está falando de artigos, não é?” Essa comparação é muito tranquilizadora e faz com que elas sintam mais controle sobre seus conhecimentos na língua inglesa.

Computer Room

As tarefas desenvolvidas na sala de computação trouxeram ótimos resultados. As crianças fizeram os exercícios animadas, discutindo entre elas as repostas, revendo os conteúdos e trocando conhecimentos e dúvidas. Alguns endereços estão postados nesta página e podem ser acessados em casa para que a diversão e o aprendizado continuem. Have fun!

Noun Dunk

Are you a good basketball player?
Uma maneira divertida de aprender a reconhecer os substantivos.

Tic Tac Toe Game (plural)

Para revisarmos as regras do plural dos substantivos, fizemos disputadas partidas de jogo da velha on-line. Quem aceita o desafio?

More Plurals

Opposites

Learning a bit more about adjectives and their opposites.

Penny Lane

Aproveitamos a música Penny Lane, dos Beatles, para refletir sobre o uso da expressão verbal “there + verb to Be”. As crianças cantaram, interpretaram, criaram novas frases para a letra e, assim fechamos o ano nas aulas de Inglês.

There is a Van Gogh in the Bedroom

O famoso quadro de Vincen Van Gogh serve de inspiração e nos ajuda a aprender a descrever uma imagem ou uma cena usando a expressão verbal "there + verb to BE".

Underground Web - Blog F4

Este blog começou a ser construído no início do ano e funcionou como uma ferramenta para o registro dos conteúdos estudados.

Tribo

A Cidade e a Criança

Neste segundo semestre, ampliamos o conhecimento adquirido anteriormente sobre as “regras de convivência na escola”. Com o intuito de que o assunto expandisse para fora da escola, várias dinâmicas e muitas conversas foram realizadas. O projeto institucional "Das aldeias às grandes metrópoles" fez com que a cidadania ficasse no foco das nossas discussões. Assim, tivemos contato com algumas leis que todos precisam respeitar para viver em uma cidade grande. A partir do ponto de vista da criança, analisamos criticamente os espaços da nossa cidade criados pelos adultos e oferecidos às crianças. Algumas indagações foram feitas: "O que tem de bom para as crianças na nossa Cidade?"; "O que falta no Rio de Janeiro para ser uma cidade melhor para as crianças?" e ainda, "O que tem de ruim em nossa cidade e o que precisa ser cuidado?".
O processo foi bastante vivenciado e, ao final, os alunos produziram um mural coletivo que esteve exposto no pátio da escola com desenhos e opiniões.

Alguns Encontros

As brincadeiras nos recreios e o Futebol, foram assuntos tratados em nossos encontros. Inicialmente, recebemos a Vivi, auxiliar responsável por esses momentos, dinamizadora dos jogos e das propostas para o pátio. Vivi nos apresentou várias novidades, brinquedos novos comprados durante as férias de julho e novas propostas foram feitas para que todos se divertissem à valer e pudessem desfrutar destes momentos com maior prazer. Janaína, professora de Educação Física, que acompanha as crianças nos momentos de Pereirão, também esteve presente em algumas Tribos ouvindo a todos, listando sugestões e buscando soluções para os problemas encontrados.

Desejos e mais Desejos

Em clima de muita emoção e concentração, nos despedimos, como sempre, em um ritual de leitura e queima de desejos que ficam guardados, desde a primeira Tribo do ano até o nosso último encontro. É comum muitas crianças esquecerem dos desejos que escreveram e acharem graça disso. Nessa hora, os olhos brilham! Alegres ou tristonhos comentavam no grupo se os desejos haviam sido ou não realizados, se ainda precisavam de um tempo maior ou mais empenho para que fossem alcançados.

Recordando

Começamos o segundo semestre com força total embalados por nossos jogos, brincadeiras, muita alegria e energia.
Continuamos nossas vivências psicomotoras através de alguns jogos já conhecidos, como handebol, basquetebol, futebol, queimado, pique-bandeira e bumbumrundynha, Assim, nossas crianças puderam desenvolver as ações motoras de correr, parar, saltar, lançar, quicar, chutar, testar seu equilíbrio e mudanças de direção. Como resultado foi possível observar maior coordenação e noção de tempo, melhor locomoção pelo espaço e diferentes possibilidades de movimento.
Com tanta agitação e euforia em nosso Pereirão, investimos no trabalho mais cooperativo, a fim de mostrar às crianças que podemos jogar “com o outro”, incentivando as parcerias e a competição de maneira saudável. Assim, surgiram novas regras para algumas atividades, o que possibilitou argumentarem mais sobre cada jogo e o que podíamos fazer de melhor para cada grupo, sem esquecer o respeito ao outro e às diferenças. Não podemos esquecer o quanto foram ricas nossas conversas com a Cecília nas Tribos, contribuindo ainda mais para o crescimento em nossas aulas.
O retorno da licença-maternidade de Renata foi tranqüilo, as crianças estavam alegres e fazendo uma boa parceria com a Janaynna. Conversamos sobre as atividades desenvolvidas no semestre. Assim, o pique-bandeira coringa, criação do sexto ano foi aprendido e ensinado para a turma que se divertiu a valer.
Este é um grupo alegre que costuma jogar todos os jogos. São habilidosos e também muito tagarelas, muitas vezes atrasando o início dos jogos. Esta é uma questão que ainda precisa ser trabalhada para que possam se divertir ainda mais. Na tentativa de dinamizar o jogo de câmbio, reinventaram regras e criaram o Intercâmbio. Para fechar o ano, planejamos um divertido jogo de queimado contra os professores e funcionários para F4 e F5.

Educação Física

Relatório de Grupo Segundo Semestre

Começamos o segundo semestre com força total embalados por nossos jogos, brincadeiras e muita alegria e energia.

Continuamos nossas vivências psicomotoras através de alguns jogos já conhecidos por nossos pequenos, como handebol, basquetebol, futebol, queimado, pique-bandeira e bumbumrundynha, onde nossas crianças puderam desenvolver com maior desenvoltura as ações motoras de correr, parar, saltar, lançar, quicar, chutar, testar seu equilíbrio e mudanças de direção. Como resultado foi possível observar maior coordenação e noção de tempo, melhor locomoção pelo espaço e diferentes possibilidades de movimento.

Com tanta agitação e euforia em nosso Pereirão, investimos no trabalho mais cooperativo, a fim de mostrar às crianças que podemos jogar “com o outro”, incentivando as parcerias e competição de maneira saudável. Assim, surgiram novas regras para algumas atividades, o que possibilitou aos nossos meninos e meninas argumentarem mais sobre cada jogo e o que podíamos fazer de melhor para cada grupo, sem esquecer o respeito ao outro e às diferenças. Não podemos esquecer o quanto foram ricas nossas conversas com a Cecília nas Tribos, contribuindo ainda mais para o crescimento em nossas aulas.

O retorno da licença-maternidade de Renata foi tranqüilo, as crianças estavam alegres e fazendo uma parceria com a Janaynna conversamos com as turmas sobre as atividades desenvolvidas no semestre. Assim, o pique-bandeira coringa, criação do sexto ano foi aprendido e ensinado para as turmas que se divertiram a valer.

Para fechar o ano, planejamos mais um Pereirão sobre rodas para as turmas de F1, F2 e F3 e um divertido jogo de queimado contra os professores e funcionários para F4 e F5.

Este é um grupo alegre que costuma jogar todos os jogos. São habilidosos e também muito tagarelas, muitas vezes atrasando o início dos jogos. Esta é uma questão que ainda precisa ser trabalhada para que possam se divertir ainda mais.

Na tentativa de dinamizar o jogo de câmbio, reinventaram regras e criaram o Intercâmbio.

Acontecimentos

Aterro para Crianças

Sobre diferentes tipos de roda, ou sobre os próprios pés, as crianças de F4 e F5 aproveitaram o dia da crianças no Aterro do Flamengo. Uma delícia desfrutar esse espaço da cidade para fazer manobras radicais, brincar e explorar a natureza.

Coral

Sá Pereira na Lagoa

Reiniciamos com o objetivo de aprimorar o repertório, construído no primeiro semestre, e ampliá-lo de forma a atender às demandas de integração do trabalho à produção da festa de encerramento. Mas um convite especial nos fez postergar as novas experiências. Problemas de autorização com o juizado de menores frustaram nossas intenções. Mas logo surgiu uma nova oportunidade. Apesar do feriadão e do imenso calor, o Coral da Sá Pereira brilhou, mais uma vez, alegrando e envolvendo a todos com sua cantoria e alto astral, durante evento promovido pelo Spantinha. A apresentação foi compartilhada com o Coral Meninos de Luz, parte do projeto social de mesmo nome realizado na comunidade do Pavão Pavãozinho. Muitos pais prestigiaram as crianças participando do evento.

Preparando a festa

As últimas semanas do ano foram dedicadas à festa de encerramento. Esforço para a colaboração do Coral para um evento maior, para a ampliação do foco do trabalho, nos colocando em um novo contexto. Significa que estamos somando nossa experiência às outras linguagens desenvolvidas na escola para a produção de um trabalho que envolve toda a comunidade, incluindo o convite às crianças menores a se integrarem na cantoria.